Retiro em São José do Rio Preto – 2011

A Expectativa de Deus e Nossa Postura de Coração

A Planta e a Maquete de Deus

Erros que Podem Diluir os Princípios de Deus – Erro no Conceito

Erros que Podem Diluir os Princípios de Deus – Erro na Estrutura

Erros que Podem Diluir os Princípios de Deus – Erro no Coração

Aspectos Sobre a Ceia

Relacionamento com Deus

 

Fotos do retiro Clique aqui

Anúncios

Retiro de Pastores e Lideres em Belo Horizonte

Estamos disponibilizando o audio das ministrações do 1º Retiro de Pastores e Lideres em Belo Horizonte “Ide por Todo o Mundo”

Testemunho sobre a obra na Angola

Elizeu Moreira

Testemunho sobre a obra nos Estados Unidos

Aulus Argollo

Frutificação

Edmar Gomes Ferreira

Testemunho Samuel (Campina Grande)

Ver para se compadecer – Vanjo

.
.

Para ver as frases que marcaram o retiro Clique Aqui…
Fotos do retiro Clique Aqui…

Ver Para Se Compadecer

“Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas…” Mt 9.36

Jesus era Deus! E Deus se fez carne e veio ao mundo porque amou o homem caído e perdido! Ninguém amava mais os homens do que Ele. Mas, como homem, Ele perdeu Sua onipresença. Andando aqui na terra, como qualquer outro homem, estava limitado no tempo e no espaço. Jesus, então, era afetado pelo que via!

Vemos em Mt 14.12,13, que depois da morte de João Batista Jesus quis isolar-se. Ficar só. Ele queria se esconder da multidão. Sua alma humana reclamava isolamento. Mas, a multidão foi buscá-Lo. Aquelas ovelhas sem pastor queriam ser socorridas – sua alma exausta e aflita reclamava a graça e socorro que havia em Jesus… e Ele as atendeu! Renunciou sua necessidade humana – tão lícita e legítima – de isolamento, para socorrer aqueles aflitos. Ao ver aquela grande multidão, Jesus compadeceu-se dela! Ensinou-lhes muitas coisas (Mc 6.34); curou seus enfermos (Mt 14.14) e saciou sua fome (Mt 14.15-21).

Amados, conosco não será diferente: não nos compadeceremos das nações e dos povos da terra se não sairmos a vê-los! Assim como Jesus, também nós somos afetados por aquilo que vemos. O que virmos lá fora vai impactar nossa alma e marcar nossa consciencia. Produzirá aquela santa e bendita inquietação que moverá nossos passos por todo o mundo, pregando este Evangelho do Reino para testemunho a todas as nações (Mt 24.14).

Ver a necessidade dos perdidos nos produz compaixão e nos move em serviço abnegado. Ficar entregue ao nosso conforto e comodidade nos faz voltar os olhos e coração para nossas conveniencias (que muitas vezes apelidamos de necessidades), produzindo acomodação e imobilidade. Conforto vicia! Comodidade escraviza! Nossa fartura nos faz complacentes conosco mesmo e indiferentes aos outros. Neste exato momento, o Senhor mesmo nos está abrindo portas em países que vivem em  meio a  imensa miséria e trevas espirituais, e com necessidades materiais desesperadoras. Em meio a esta constrangedora pobreza espiritual e terrena vivem filhos de Deus, irmãos nossos, membros do mesmo Corpo e da mesma família, esforçando-se, com grande sacrifício, para repartir a graça de Deus entre seus compatriotas. Qual será a nossa cooperação?

Amados, Deus nos chamou a ser despenseiros e não banqueiros! Espera-se do despenseiro que seja encontrado fiel. Essa fidelidade é comprovada quando os necessitados são atendidos. Fomos chamados a repartir, e não a acumular os bens que nos foram confiados pelo Senhor, sejam bens espirituais ou materiais, celestiais ou terrenos (1Co 4.1,2; Mt 10.7,8 / Mt 6.19-21; Ef 4.28b; 1Tm 6.7-10,17-19).

O apelo do Senhor está muito claro. Como reagiremos? Que resposta daremos Aquele que sendo rico por amor de nós se fez pobre (2Co 8.9)?  Hoje Ele tem fome e sede e é forasteiro! Está nú, enfermo e preso! Iremos assisti-lo, ou ignorá-lo?! (Mt 24.35-40,44,45).

Cuidemos que o pão a nós confiado não crie môfo! PDF Clique Aqui…

Fonte: Fazendo Discipulos
Autor: Vanjo Souza