Andar na Luz

O Senhor tem falado muitas coisas em nossos corações. Tudo isto tem nos levado a meditar diante do Senhor e a descobrir a nossa verdadeira condição.

Quando descobrimos nossa real e verdadeira condição temos algumas reações:

1º Escondemos a nossa condição.
2º Disfarçamos, tratando superficialmente.
3º Confessamos, colocamos na luz

Para continuar lendo Clique aqui

Anúncios

Como vencer o orgulho

Não temos como vencer o orgulho. Não em nós mesmos. Não há armas ou estratégias eficazes na nossa vontade, razão ou sentimento para derrotarmos esse inimigo. Não se vence o orgulho lendo livros, ouvindo mensagens, policiando a própria natureza. Na verdade, todo esforço humano para vencer o orgulho por si só já é orgulho. Nem mesmo conseguimos por nós mesmos discernir as atitudes, reações e pensamentos como sendo frutos de nossa soberba ou não. O orgulho é um pecado de várias faces e disfarces. Ele se fantasia até de humildade e de espiritualidade.

Quando nos parece não haver esperança, surge uma doce voz: “Aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração…”. O orgulho, como todo pecado, só pode ser derrotado em nossa vida com intimidade com Aquele que É (não está, ou se faz) MANSO E HUMILDE. Andar na presença de Jesus é tocar na SANTIDADE, na SANTIDADE que arde como fogo e queima toda impureza. Quando O HUMILDE viver em nós, quando O buscarmos em sincero relacionamento, quando praticarmos a Sua doce presença ininterruptamente, seremos transformados ‘de glória em glória.’

Mas, surge um perigo!! Muitas vezes ao buscá-Lo não fazemos com o coração disposto a encontrar somente a Ele. Quantas vezes nosso ‘relacionamento’ com Ele é baseado em uma lista interminável de pedidos ‘para a nossa satisfação’! E, ao terminarmos, simplesmente nos levantamos e vamos cuidar dos nossos muito afazeres, planejar nossos planos, quando apenas ‘uma coisa é importante’. Ele é o Único que importa. Se O desejarmos e com todo o coração O buscarmos, nada mais importa. A vida Dele preenchendo a nossa vida é garantia de purificação, de santificação e de paz. Não precisamos suplicar por humildade quando O Humilde de fato viver em nós. Não precisamos implorar por mansidão, quando Aquele que É Manso inundar todo o nosso ser.

Mas, isso requer uma morte. A nossa morte. Não há novidade de vida, sem essa morte. Não há ressurreição, sem cruz. Não há purificação, sem fogo. Todavia, não há como Ele viver em nós sem a mortificação do nosso ego, da nossa vida da alma, da vida herdada de Adão. Nesse ponto, deve haver nossa decisão. O nosso esforço consiste tão somente em buscá-Lo. Ele não nos levará à força para a cruz, pois a cruz deve ser suportada espontanemante. Ele não nos arrastará a ela. Mas, depois que nos rendemos, a morte vem. E quando a morte vem, a ressurreição também vem. A morte cede lugar à Vida. Não a uma vida qualquer, mas Àquele que É A VIDA! Para continuar lendo Clique aqui…